Poema sobre artigo 4° da Declaração Universal dos Direitos Humanos

Após vários séculos de permissão

Tratar o humano como mercadoria
Em muitos lugares era uma tradição

Agora no papel consagra-se

o fim da escravidão!

Dia Mundial da Poesia

Associação Convívio em Guimarães